Vinho novo, e o velho que se fez novo!

É de conhecimento popular o dito ” vinho quanto mais velho melhor”, isso quer dizer em termos práticos que a ação do tempo juntamente com o processos químicos de fermentação transformam alguns vinhos em verdadeiras relíquias a serem degustadas.Cuidado! nem todos os vinhos foram feitos para envelhecimento, a maioria hoje é feita para consumo imediato, submeter alguns vinhos ao teste do tempo e das reações de fermentação pode transformá-los em vinagres, o que isso quer dizer? a resposta parece simples, e poderíamos afirmar categoricamente ” ora, existem coisas que foram feita para durar, outras foram feitas para serem consumidas de imediato”.

Em João capítulo 2 temos a narrativa  do casamento em Caná da Galileia no qual Jesus, seus discípulos e sua mãe foram convidados, em síntese na festa de casamento o vinho acabou, o que gera uma reação em Maria mãe de Jesus “E, faltando vinho, a mãe de Jesus lhe disse: Não têm vinho.“, a preocupação de Maria era imediata, como em um casamento de nossos dias quando acabam os recursos logo aparecem os especialistas em casamentos para darem seus pitacos, assim também seria nesse casamento, o matrimônio judaico tinha conotações contratuais uma gafe representaria muito sobre o contrato firmado.A reação de Maria reflete muito sobre a espiritualidade cristã hoje, baseada nas soluções práticas, em atalhos, em síntese estéril, que enxerga em Jesus solução para seus problemas baratos e imediatos, e o reduzem ao deus da auto-ajuda, um Deus criado pelo imaginário religioso Humano que em nada reflete a divindade do mestre, o que esperar de Jesus então?

Jesus não é o deus da auto-ajuda… definitivamente não! que é Jesus então? Jesus é o velho que se fez novo, jesus é o vinho submetido ao tempo, as intempéries, estava no principio de tudo, e tudo se fez por meio dele, conhece os meandros da alma humana, o cerne de suas relações, é o arquiteto, por estar no principio e ser um bom vinho velho possui credenciais de quando fazer e quando não fazer as coisas, pois carrega em seus ombros o peso da sabedoria eterna de Deus.

Jesus é o vinho novo, haviam ali vasos que eram utilizados para purificação dos judeus, Jesus manda que os encham de água e posteriormente o sirvam, o resultado surpreenderia até o mais criterioso enófilo, vinho de qualidade, o vinho apreciado pelos Judeus não era fermentado era conservado abaixo dos 10 graus de maneira a impedir sua fermentação, ou seja Jesus estava oferecendo vinho fresco, apesar de Jesus ser o mesmo Deus, de Moisés, Jacó, Josué, o que se lhes apresentava era fresco, novo, superior!

Carlos Alberto Moreira Junior

Bacharel em teologia Cursando licenciatura em história

 

Anúncios

Um comentário em “Vinho novo, e o velho que se fez novo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s